Braga: Presépio ao vivo de Priscos ajuda na inclusão de reclusos
27/11/2019

Segundo a Agência Ecclesia:


"Braga, 25 nov 2019 (Ecclesia) – O projeto «Mais Natal Priscos» daquela paróquia da Arquidiocese de Braga dá trabalho há 5 anos a reclusos do Estabelecimento Prisional da cidade e vai estar patente ao público de 15 de dezembro a 12 de janeiro.

No âmbito de um protocolo assinado entre a paróquia e a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), o padre João Torres, responsável pelo projecto «Mais Natal Priscos» e pároco de Priscos, considera que se trata de uma iniciativa inovadora “para dar mais dignidade à vida dos reclusos”, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A reintegração social de reclusos “necessita de mais recursos humanos, tecnológicos, mais programas e, sobretudo mais financiamento para que os reclusos consigam refletir sobre a vida no geral, mas essencialmente acerca dos motivos que os levaram a cometer crimes e repensar nos objetivos para o futuro”.

No «Presépio ao Vivo de Priscos», os reclusos cumprem um horário de trabalho entre as 08h30 e as 17h00 e são acompanhados por um guarda prisional.

O sacerdote anunciou que os dividendos tirados da solidariedade dos visitantes do Presépio ao Vivo e «a ajuda preciosa» da Câmara de Braga, através do Orçamento Participativo suportam o pagamento aos reclusos, para compensar o trabalho prestado por cada um, na proporção do esforço despendido e em função do número de dias de trabalho.

São cerca de 800 os participantes que dão vida a uma história sempre antiga e sempre nova.

É um espaço com cerca de 30.000 m2 de ocupação e com mais de 90 cenários, com referência às culturas egípcia, judaica, romana, assíria, grega e babilónica.

“Não faltam muitos dos ofícios que existiam no tempo de Jesus: os ferreiros a forjarem e a temperar o ferro, o sapateiro a concertar sandálias rompidas, serradores que cortam lenha, camponeses a organizarem as ferramentas de trabalho, a tecedeira no tear a jogar fios de lã, o oleiro a moldar o barro, a padeira a amassar a farinha, entre tantos outros cenários da época, e, claro, a família de Nazaré a ser família diante das sombras do seu tempo…”

Créditos de imagem: Agência Ecclesia