Encontradas as cinco práticas finalistas ao prémio de Boas Práticas de Participação 2018
6 de março de 2019

Terminou no passado dia 1 de março o período de avaliação, pelo júri, das candidaturas ao Prémio de Boas Práticas de Participação 2018. O período de candidaturas iniciou-se no final de novembro de 2018, destinando-se aos membros da Rede de Autarquias Participativas, enquanto incentivo à implementação, disseminação e valorização de práticas inovadoras de democracia participativa ao nível local.

Foram rececionadas dezassete práticas candidatas, tendo as mesmas sido analisadas por um júri independente constituído por quatro entidades: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Observatório Internacional da Democracia Participativa, Associação In Loco e Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

A avaliação do júri teve por base um conjunto de critérios presentes em regulamento (disponível para consulta em www.portugalparticipa.pt) e devidamente conceptualizados, para um entendimento unânime do mesmo.

As cinco práticas melhor pontuadas pelo júri e respetivas classificações finais, numa escala de 0 a 10, são:

·         Núcleos de Proteção Civil do Município de Funchal (8,11);

·         Laboratório Vivo do Bussaco do Município de Mealhada (8,07);

·         Mini Presidentes da União de Freguesias de Massamá e Monte Abraão (7,74);

·         Projeto Educativo Municipal, Leiria Concelho Educador – 2018/2021 do Município de Leiria (7,62);

·         Projeto Tabu! do Município de Guimarães (7,45).

Segue-se agora uma nova fase, a votação pública, que terá início no dia 18 de março, decorrendo até 26 de abril. A votação terá lugar em www.portugalparticipa.pt. Cada uma destas etapas, votação do júri e votação pública, terá um peso de 50% na pontuação final.

Serão entregues dois prémios, cabendo ao primeiro classificado a nomeação de melhor prática de democracia participativa em Portugal de 2018 e ao segundo classificado uma menção honrosa. 

Ler artigo completo em: ASSOCIAÇÃO IN LOCO